sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Para pegar a estrada

Sempre que chega sexta-feira, para mim sempre bate a mesma vontade: desviar-me do meu trajeto para o trampo e seguir para a Rodoviária Novo Rio, que fica perto, e embarcar em qualquer ônibus que me leve para as montanhas ou para as praias.

Existem poucos prazeres no mundo que sejam equivalentes a pegar a estrada. Nem escrever ou dormir, coisas que gosto muito de fazer e faço todos os dias, rs, são tão bons quanto!

Você se joga na estrada com o espírito feliz, a liberdade de seguir por caminhos geralmente agradáveis que o levarão ao destino ainda mais agradável e desejado! É impossível sentir-se aborrecido ou deprimido! Uma estrada longa, ladeada de vegetação, com montanhas ou colinas logo ao alcance, bastando esticar a mão, pois sem as horríveis construções de concreto, ferro e vidro, a visão fica lascivamente em seu esplendor aos nossos olhos.

Para os bichos de cidade grande, como eu, é extasiante ver que de um lado a outro da estrada só existem matos, árvores e, às vezes, montanhas. Infinitas e poderosas, essas paisagens estão ali antes de nós e, se Deus as proteger, continuarão ali muito depois de nós, mostrando-nos a nossa finitude e pequenez, e nos dizendo o quanto somos tolos por desperdiçarmos tão curto tempo em escravidões, como a nossa submissão ao trabalho capitalista, ao dinheiro mal empregado ao se adquirir as coisas inúteis da modernidade, e ao relógio, em que as horas nunca são suficientes e, para fazê-las renderem mais, sacrificamos o nosso descanso, a nossa saúde mental, espiritual e física!

Mas vamos voltar para a estrada, que é onde estamos agora. É sexta-feira, é véspera do dia mais bacana da semana, o sábado, que é o dia do descanso, em que tudo é permitido menos o trabalho desgastante. E devemos honrar esses dias, abandonando as obrigações da nossa vida moderna e caindo nos braços daquilo que deveria importar de verdade: o VIVER O PRESENTE.

Dê uma pausa ao que está lendo aqui e aprecie aquele que é quase um hino dos pé-na-estrada. A letra da música não fala sobre esse tipo de viagem, mas o seu ritmo no leva a ele. É Out That Door, de uma das melhores bandas australianas, Hoodoo Gurus